ARMAZENAMENTO DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA EM BATERIAS: A NOVA FRONTEIRA

Primeiramente, quando pensamos em baterias, lembramos de dispositivos eletroeletrônicos ou de veículos elétricos. Todavia, outros usos para baterias crescem rapidamente no mundo.

Por exemplo, nos Estados Unidos há mais de 800 MWh em bancos de baterias “estacionárias”. Ou seja, instaladas na infraestrutura da matriz elétrica ou em consumidores. Por isso, as baterias estacionárias são usadas para regular e melhorar a frequência e tensão da rede elétrica. Isto é, para “arbitrar” o consumo em horários de ponta e fora-ponta e proteger contra surtos e falhas de fornecimento.

Tais usos deverão crescer fortemente, contribuindo para acelerar a transição de geradores baseados em fontes fósseis, poluidoras e mais caras para fontes renováveis, limpas e mais competitivas, porém com perfil de geração variável.

Um fator decisivo para o avanço do armazenamento de energia elétrica é a redução dos custos das baterias. Segundo a Bloomberg New Energy Finance, o preço de baterias de íons de lítio despencou mais de 75% entre 2010 e 2018, sendo a segunda tecnologia que mais se barateou no setor elétrico mundial, atrás apenas da Energia Solar Fotovoltaica, com redução de 83% no mesmo período.

O barateamento das baterias continuará firme nos próximos anos, aproximando a tecnologia do mercado. Para dispositivos eletroeletrônicos e na mobilidade elétrica, a tecnologia de íons de lítio tem sido a mais indicada. Afinal, possuí maior densidade elétrica em comparação com as opções disponíveis.

Já para o uso estacionário existem boas alternativas, com vantagens importantes. Uma delas, por exemplo, é a bateria de fluxo de ferro que, apesar da menor densidade elétrica, é mais resistente à degradação, não é inflamável e não contêm materiais escassos ou de alta toxicidade em sua composição.

E o que esperar do armazenamento no Brasil?

Certamente, baterias cada vez mais baratas acelerarão a substituição de geradores a diesel, caros, poluentes e barulhentos, por sistemas híbridos combinando geração solar fotovoltaica e armazenamento.

Ainda mais para os consumidores conectados à rede, em áreas urbanas e rurais. Afinal, estão sujeitos a interrupções ou instabilidades no fornecimento de eletricidade. Logo, as baterias serão parte da solução.

Além disso, muitos consumidores em média tensão, especialmente nas regiões Norte e Nordeste, pagam tarifas elevadíssimas no horário ponta e as baterias ajudarão a reduzir estes custos.

Baterias também serão um ativo valioso para as distribuidoras: além de melhorar a qualidade do fornecimento de energia elétrica, o armazenamento permite a expansão mais eficiente das redes de distribuição, aliviando os picos de demanda em momentos de consumo elevado.

GE Armazenamento de Energia

                         Armazenamento de Energia da GE

Em 2017, a ANEEL aprovou 23 projetos de P&D de armazenamento por meio da Chamada de P&D Estratégico nº 21/2016. Atualmente, já em fase de implantação. Adicionalmente, estão sendo desenvolvidos os primeiros projetos comerciais no Brasil, em regiões como Goiás, Pernambuco e Minas Gerais.

Energia Solar Fotovoltaica ampliando benefícios

Conforme a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR) e o setor solar fotovoltaico, o armazenamento competitivo é tema de grande interesse: ele proporcionará mais valor e novas funcionalidades aos sistemas solares fotovoltaicos, trazendo aos consumidores maior liberdade e autonomia, e contribuindo para ampliar cada vez mais a participação da fonte solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira.

Assim, ampliando o poder de decisão do consumidor, usando a rede elétrica quando for vantajoso e protegendo de custos elevados.

Assim, armazenamento e energia solar fotovoltaica, cada vez mais competitivas, seguirão juntas, abrindo as portas para novas oportunidades de negócio e de crescimento no setor elétrico brasileiro.

E os inversores solares híbridos, como funcionam?

Como o próprio nome já sugere, esse modelo apresenta características tanto on grid como off grid. Ou seja, injeta energia na rede e, ao mesmo tempo, possui uma ligação com um banco de baterias, mantendo os equipamentos eletrônicos funcionando mesmo se a energia for interrompida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *