China completará construção de “sol artificial” ainda neste ano

Chineses pretendem imitar a fusão nuclear usada pelo Sol (Foto: NASA/SDO)

CHINESES PRETENDEM IMITAR A FUSÃO NUCLEAR USADA PELO SOL (FOTO: NASA/SDO)

A China está a um passo de ter seu próprio “sol artificial”. O anúncio foi feito no último domingo (10) por Duan Xuru, funcionário da Corporação Nacional Nuclear da China, que afirmou que os engenheiros pretendem concluir o projeto ainda em 2019.

O “sol artificial”, ou melhor, o reator Experimental Advanced Superconducting Tokamak (EAST), consiste em imitar a fusão nuclear que o nosso Sol usa para gerar energia.

Em novembro, durante a fase de testes, os pesquisadores chineses haviam anunciado que o reator atingiu a marca de 100 milhões de graus celsius. Com o poder da fusão nuclear, as autoridades pretendem alcançar uma temperatura ainda mais alta no dispositivo.

“O plasma do ‘sol artificial’ é composto principalmente de elétrons e íons”, disse Xuru à mídia. De acordo com ele, o reator Tokamak HL-2M será capaz de atingir uma temperatura quase sete vezes mais quente do que do Sol real.

Agora, os engenheiros precisam injetar e absorver mais energia, operando em um modo mais avançado. Segundo o portal Global Times, os especialistas pretendem elevar o nível atual de corrente elétrica de plasma de 1 trilhão para 3 trilhões de amperes com o novo dispositivo.

Cientistas consultados pelo portal Futurism apontam que a temperatura atingida pelo plasma do reator é “a mínima necessária para produzir uma fusão nuclear autossustentável na Terra”. Se os testes derem certo, a China poderá, no futuro, construir outros reatores de fusão nuclear e se colocar ainda mais perto do sonho de uma energia limpa e ilimitada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *